24 janeiro 2016

Prefeito e secretários corruptos, máfia, desvio de verbas e roubalheira! Saiba porque eles reclamam da falta de verbas que eles mesmos levam pra casa

Leia esta matéria com bastante atenção e entenda porque muitos prefeitos reclamam da falta de dinheiro para justificar o péssimo serviço prestado à população. Perceba que eles dizem que faltam repasses federais, que os custos da administração são elevados, que a população não paga o IPTU e que, com a "crise", eles não tem como atender a demanda dos municípios.

Diante disso, eles chegam com a conversinha fiada de que reduzirão seus salários e dos seus "auxiliares", farão economia em todos os setores para buscar um "equilíbrio" nas contas públicas.

Mas... A realidade parece que não é bem essa!
Quem disse que os seus "míseros" salários realmente importam?
 
Será que os custos com propinas, desvios de verbas da saúde e da educação e os favorecimentos para seus "amigos", estão sendo cortados? Ou será que este é o grande ralo que engole o dinheiro público e deixa o povo sofrendo sem a atenção que lhe é devida, enquanto alguns poucos enchem suas contas bancárias e aumentam o seu patrimônio com imóveis e negócios em nome de seus laranjas?

Veja este exemplo clássico do que acontece em muitos municípios com a verba da merenda. E ACREDITE: É o mesmo que acontece com as verbas para medicamentos, coleta de lixo e obras públicas de muitos municípios pelo Brasil.

INCLUSIVE AQUI, NO RIO GRANDE DO NORTE!

Máfia da merenda tinha “compromisso de 30%” com prefeito do DEM


Adriano Mauro, preso na Operação Alba Branca, afirmou à Polícia Civil que contrato entre cooperativa e prefeitura de Barueri (SP) 'foi fraudado'

A Operação Alba Branca, que desbaratou um esquema de propinas na compra de merenda escolar em São Paulo, revelou comissões de 30% para o prefeito de Barueri (SP), Gil Arantes, do DEM; a investigação também cita como supostos envolvidos o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Fernando Capez (PSDB), o presidente estadual do PMDB, deputado federal Baleia Rossi e o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin (PSDB), Luiz Roberto dos Santos.

Um dos investigados na Operação Alba Branca, o funcionário da
Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) Adriano Gibertoni Mauro afirmou, em depoimento, à Polícia Civil, que ‘foi fraudado’ um contrato firmado entre a entidade e a Prefeitura de Barueri, cidade da região Metropolitana de São Paulo. A Alba Branca, deflagrada na terça-feira, 19, apura suposto esquema de fraudes na compra de produtos agrícolas, vendidos pela Coaf, destinados à merenda escolar de prefeituras e do Governo de São Paulo. Adriano Mauro citou um ‘compromisso’ de 30% feito pela Coaf ao prefeito do município, Gil Arantes (DEM).

A investigação cita como supostos envolvidos o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Fernando Capez (PSDB), o presidente estadual do PMDB, deputado federal Baleia Rossi, o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin (PSDB), Luiz Roberto dos Santos, o ‘Moita’ – afastado do cargo um dia antes do estouro da operação pela Polícia Civil de Bebedouro -, além de cerca de 20 prefeituras.

Em outra investigação, Gil Arantes está sob suspeita de desviar recursos públicos, em proveito próprio e de terceiros, por meio de indenizações de desapropriações efetuadas entre 1997 e 2004. A Procuradoria-Geral de Justiça apura crimes de responsabilidade e lavagem de dinheiro. Em fevereiro de 2015, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou imediato afastamento de Gil Arantes da Prefeitura. Algumas semanas depois, em março do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou que o prefeito voltasse ao cargo.

Adriano Mauro, da Coaf, afirmou que ‘tem conhecimento’ que o contrato entre a Cooperativa e a prefeitura de Barueri estava fraudado. Segundo ele, o acordo havia sido celebrado pelo presidente da Coaf, Cássio Chebabi, e o vendedor Emerson Girardi com Gil Arantes.

Adriano Mauro reconheceu o prefeito por foto.

“Tem conhecimento que esse contrato estava fraudado porque Cássio e Emerson se comprometeram a pagar 30% de seu valor ao citado prefeito, valor evidentemente impossível de ser saldado; tem conhecimento também que esse acordo não teria sido cumprido, uma vez que o prefeito não recebeu o dinheiro combinado, tanto que ele fechou as portas da prefeitura para a Coaf”, declarou.

Adriano Mauro relatou que ’em razão desse quadro’, ele, outro funcionário da Coaf, César Augusto Bertholino, o filho do ex-deputado estadual e federal Leonel Julio, Marcelo Ferreira Julio – apontado como intermediador de propina -, e uma pessoa identificada como ‘Moacir’ se reuniram no escritório de ‘Moacir’, em Barueri. Segundo ele, também ‘tomou parte’ da reunião a secretária de Finanças de Barueri, Geanete Resende da Silva.

“O declarante em conjunto com César, Moacir e Marcel realizaram uma reunião, no escritório de Moacir, localizado em Barueri1 da qual tomou parte também uma secretária da prefeitura de Barueri; acreditando ser a de Educação ou Finanças, salvo engano de nome Gianete”, disse.

“Ficou combinado nessa reunião que a Coaf honraria todas as comissões combinadas com a prefeitura, caso as portas dela voltassem a se abrir para a Coaf; ficou combinado que o novo edital sairia no inicio de 2016, mas ainda não
Saiu.”

Três investigados pela Alba Branca também ligaram o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Fernando Capez (PSDB), e o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin (PSDB), Luiz Roberto dos Santos, conhecido como “Moita”, ao suposto esquema.

Em depoimento à Polícia Civil, na terça-feira, 19, os funcionários da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) afirmaram que a propina chegava a ser de 25% dos contratos. Em detalhes, eles relatam como eram feitos as entregas de pacotes de dinheiro vivo, depósitos em contas e acertos em postos de combustível às margens de rodovias.

Fonte: 247 e Estadão
 
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário