06 agosto 2016

[VÍDEO BOMBA] Marco Feliciano é acusado de estupro por jovem de 22 anos

A jovem prestou depoimento durante a tarde no 3ª DP da capital, em Santa Efigênia e de detalhes sobre o caso e as ameaças que sofreu.

A estudante de jornalismo Patricia Lelis, de 22 anos, denunciou nesta sexta-feira (5) o deputado federal Marco Feliciano, do PSC, por assédio sexual. A jovem prestou depoimento durante a tarde no 3ª DP da capital, em Santa Efigênia.

A ação teria ocorrido no dia 15 de junho, no apartamento funcional do parlamentar, em Brasília. Ex-presidente da juventude do partido, Patricia afirma ter sido convocada ao local para uma suposta reunião. Ao chegar, no entanto, encontrou o deputado sozinho.

"Ele me prometeu um cargo no PSC com salário de 15 000 reais se eu topasse ser sua amante", contou Patricia. "Eu neguei e ele ficou bravo. Tentou tirar minha roupa à força, me deu um soco na boca e um chute na perna", completou.

A mãe da garota também prestou depoimento e confirmou a agressão.

"Vi a boca dela machucada, com a marca dos dedos do Feliciano. A perna dela ficou toda roxa por causa de um chute, achei que tivesse quebrado", disse Maria Aparecida de Souza.

Após o episódio, Patricia teria solicitado ajuda ao partido mas, segundo sua denúncia à Polícia, acabou alvo de uma tentativa de suborno por parte do Pastor Everaldo, presidente da sigla, em julho.

"Ele me ofereceu um saco de dinheiro, mas eu neguei".

O caso veio à tona no começo da semana mas, em um primeiro momento, foi desmentido pela própria Patrícia, em um vídeo divulgado na quinta-feira em redes sociais. Nesta sexta, no entanto, ela contou à polícia que foi forçada a gravar as imagens pelo chefe de gabinete de Feliciano, Talma de Oliveira Bauer.

"Vim a São Paulo por causa de compromissos profissionais e me hospedei em um hotel no Largo do Arouche. Quando o Bauer soube, foi até lá armado e me forçou a me obrigou a gravar o vídeo", conta.

Devido à ameaça, a Polícia Civil deteve Bauer na tarde desta sexta (5). Bauer foi ouvido e liberado. "Ainda estamos apurando as denúncias contra o assessor", afirma o delegado titular do 3º DP, Luis Roberto Faria Hellmeister. "Quanto ao político, os autos serão enviados para Brasília."

Antes de ser preso, o chefe de gabinete negou todas as acusações e afirmou que "o pastor Feliciano é um homem correto e religioso". O deputado não foi encontrado para comentar as denúncias.

Em seu depoimento à polícia, Patricia também afirmou que recebeu uma ligação do Pastor Everaldo na manhã desta sexta, em que ele teria feito ameaças para ela negar o episódio.

Veja o vídeo em que Patrícia revela o que ocorreu:




0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário